Extinções: Georges Cuvier (2/ 2)

página anterior

Extinção por Catástrofe

Cuvier estudou cuidadosamente fósseis de elefantes encontrados nas proximidades de Paris. Ele descobriu que seus ossos eram indiscutivelmente distintos daqueles dos elefantes na África e na Índia. Eles eram distintos até mesmo de elefantes fósseis na Sibéria. Cuvier zombou da idéia de que os membros vivos destas espécies fósseis estavam à espreita em algum lugar na Terra, sem serem conhecidos – eles eram simplesmente grandes demais. Em vez disso, Cuvier declarou que eles eram espécies distintas, que haviam desaparecido. Mais tarde, estudou muitos outros fósseis de mamíferos grandes e demonstrou que eles também não pertenciam a nenhuma das espécies vivas hoje. As evidências fósseis o levaram a propor que, periodicamente, a Terra passava por mudanças bruscas, cada uma das quais podendo acabar com um número de espécies.

Cuvier estabeleceu a extinção como um fato que qualquer futura teoria científica da vida deveria explicar. Na teoria de Darwin, as espécies que não se adaptarem a ambientes em mudança ou nao resistirem à concorrência de outras espécies enfrentarão a aniquilação. Darwin contudo, não aceitou todas as idéias de Cuvier sobre extinção. Assim como Charles Lyell anteriormente, ele duvidava que as espécies foram extintas em grandes "catástrofes". Da mesma forma com que a geologia do planeta mudou gradualmente, suas espécies extinguiram-se gradualmente, à medida que novas espécies se formaram.

 Mammoth comparação mandíbula Um documento de Cuvier de 1798 continha este desenho mostrando as diferenças entre as mandíbulas de um mamute (superior) e um elefante indiano. Estas diferenças apoiaram a idéia de que os mamutes foram, de fato, extintos.

 
Extinção de Fundo e Catástrofes
Neste ponto, Cuvier foi, em parte, apoiado. Talvez 99% de todas as espécies que já existiram na Terra estão agora extintas. A maioria dessas espécies extintas desapareceu em um lento fluir darwinista - o que os paleontólogos chamam de "Extinções de fundo.". Mas várias vezes ao longo dos últimos 600 milhões anos, a vida passou por Extinções em massa, em que metade ou mais de todas as espécies vivas no momento desapareceu em menos de dois milhões de anos, um piscar de olhos geológico. As causas podem incluir asteróides, vulcões ou alterações relativamente rápidas no nível do mar. Estas extinções marcam algumas das grandes transições da vida, quando novos grupos de espécies tiveram a oportunidade de assumir os nichos das antigas. Os mamíferos, por exemplo, só dominaram a Terra depois do desaparecimento dos gigantes dinossauros, 65 milhões de anos atrás, no Cretáceo-Terciário. Em outras palavras, nós, seres humanos, somos filhos de extinções.

Massa e Extinção de fundo A história da vida tem sido marcada por eventos de extinção catastrófica (picos vermelhos) e a constante extinção de fundo (amarelo).

Enssine isso!
Planos de aula para ensinar sobre extinções


Busca · Índice · Navegação · Direitos Autorais · Créditos · Contato
Entendendo a Evolução para Professores Início · Entendendo a Evolução Início

Veja outras opiniões do site Entendendo a Evolução

Tradução em espanhol do site Entendendo a Evolução para Professores da Sociedade Espanhola de Evolução Biológica.