Extinções: Georges Cuvier (1/ 2)

Por volta de 1700, os fósseis tinham sido introduzidos no mundo dos vivos. Ao invés de serem produzidos pelas próprias rochas, os fósseis foram reconhecidos como os restos de animais ou plantas. Eles se pareciam muito com espécies particulares viventes para serem qualquer outra coisa. À medida que o século XVIII avançava, surgiram alguns fósseis que não podiam ser amarrados de forma tão perfeita às espécies vivas conhecidas. Os elefantes, por exemplo, tinham deixado fósseis na Itália, onde eles não podiam mais ser encontrados. No entanto, os elefantes ainda viviam na África e naturalistas assumiram que outros fósseis tinham seus equivalentes vivos em alguma parte remota do mundo. Mas, no final do século, um naturalista francês ofereceu uma revelação surpreendente: algumas espécies tinham realmente desaparecido da face da Terra.

Georges Cuvier (1769-1832) se juntou ao recém criado Museu Nacional de Paris, em 1795, e rapidamente se tornou o maior especialista do mundo sobre a anatomia dos animais. Ele então usou esse conhecimento para interpretar os fósseis com uma visão sem precedentes. Diz a lenda que, por vezes, até mesmo alguns fragmentos de ossos foram suficientes para ele reconstruir a anatomia completa de uma espécie previamente desconhecida com precisão fantástica. Armado com esse conhecimento, Cuvier entrou na discussão sobre se as espécies poderiam extinguir-se.

Georges Cuvier

primeiros fósseis mosassauro Esta gravura mostra a recuperação do primeiro fóssil de Mosassauro em 1780. Cuvier utilizou o fóssil para apoiar suas idéias radicais em extinção.

Alguns naturalistas anteriores, como Buffon, argumentaram que as espécies poderiam ser extintas. Mas para muitas pessoas da época de Cuvier, a idéia de extinção foi religiosamente preocupante. Se Deus criou toda a natureza de acordo com um plano divino no início do mundo, parece irracional para Ele deixar algumas partes da criação morrerem. Se a vida consistia de uma Grande Cadeia do Ser, que se estende do lodo do oceano para os seres humanos e anjos, extinções removeriam algumas ligações.

• Imagem cedida por Dennis O’Neil, Palomar College.
• Imagem da recuperação do Mosassauro cedida por Oceans of Kansas.

próxima página


Busca · Índice · Navegação · Direitos Autorais · Créditos · Contato
Entendendo a Evolução para Professores Início · Entendendo a Evolução Início

Veja outras opiniões do site Entendendo a Evolução

Tradução em espanhol do site Entendendo a Evolução para Professores da Sociedade Espanhola de Evolução Biológica.