O início da “Síntese Moderna”: Theodosius Dobzhansky (1/2)

Theodosius Dobzhansky

Ronald Fisher e seus colegas deram uma nova base genética ao conceito de Darwin de seleção natural eles deixaram um projeto igualmente grande em aberto para os biólogos que os sucederam: explicar a linguagem dos genes, o que são as espécies e como elas se originaram. A resposta apenas começou a surgir nos anos de 1930, em grande parte graças ao trabalho de um geneticista soviético chamado Theodosius Dobzhansky (à direita).

Nascido na Ucrânia, Dobzhansky emigrou para os Estados Unidos em 1928. Lá ele iniciou seus trabalhos na “Sala das Moscas” (“Fly Room”) de Thomas Hunt Morgan, onde mutações estavam sendo estudadas de perto pela primeira vez. Ele também prestou atenção especial ao trabalho de geneticistas de populações, como Sewall Wright, que estavam mostrando como o tamanho de uma população afeta a taxa na qual uma mutação pode se espalhar. Dobzhansky estava interessado em descobrir a genética que determinava as diferenças entre populações de uma espécie.

 

A Variabilidade Genética das Populações
Inverção cromossômica
 

Naquele tempo, a maioria dos biólogos assumia que todos os membros de uma espécie qualquer tinham genes praticamente idênticos. Mas esses eram pressupostos criados em laboratório. Dobzhansky começou analisando os genes de moscas da fruta selvagens, viajando desde o Canadá até o México para recolher membros da espécie Drosophila pseudoobscura. Ele descobriu que populações diferentes de D. pseudoobscura não tinham conjuntos idênticos de genes. Cada população de mosca da fruta que ele estudou tinha marcas distintas em seus cromossomos que as distinguia das outras populações.

Dobzhansky ajudou a descobrir que populações diferentes de moscas da fruta têm freqüências diferentes de duas versões variantes do mesmo cromossomo; o cromossomo A' pode ser mais frequente em uma população enquanto o cromossomo A é mais frequente em uma população vizinha.

 

Se não havia nenhum conjunto de genes padrão que distinguia espécies, o que mantinha as espécies diferentes umas das outras? A resposta, Dobzhansky percebeu corretamente, era sexo. Uma espécie é simplesmente um grupo de animais ou plantas que reproduzem, primariamente, entre eles mesmos. Dois animais de espécies diferentes são improváveis de acasalarem e mesmo que o fizessem, eles raramente produzirão híbridos viáveis. Dobzhansky realizou experimentos em moscas da fruta que demonstraram que essa incompatibilidade é causada por genes específicos portados por uma espécie que contrastam com os genes de outra espécie.

 
• Imagem de Dobzhansky cortesia da American Philosophical Society Library.
próxima página


Busca · Índice · Navegação · Direitos Autorais · Créditos · Contato
Entendendo a Evolução para Professores Início · Entendendo a Evolução Início

Veja outras opiniões do site Entendendo a Evolução

Tradução em espanhol do site Entendendo a Evolução para Professores da Sociedade Espanhola de Evolução Biológica.